Agafuc conquista bicampeonato no Brasileiro de Futebol de 5

Marcelo Grisa

No último domingo, a Associação Gaúcha de Futebol para Cegos (Agafuc) conquistou, pela segunda vez, o Campeonato Brasileiro de Futebol de 5. As finais do campeonato, que ocorreram no Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras, em Salvador (BA), tiveram transmissão ao vivo pelo canal a cabo SporTV. O time de Canoas já foi campeão em 2015 e conquistou o vice em 2016.

A final, entre a Agafuc e a Cedemac, permaneceu empatada na primeira etapa, mesmo com a equipe maranhense, surpresa do campeonato, não ter vindo retrancada. Entretanto, a qualidade do time canoense permitiu que, no segundo tempo, o placar fosse até 2 a 0 para a Agafuc.

Medalhistas

A Associação conta com cinco jogadores da base que conquistou a medalha de ouro Jogos Paralímpicos do Rio 2016: Luan (goleiro), Damião, Dumbo, Nonato e Ricardinho. Nenhum deles, entretanto, mora no Rio Grande do Sul. De acordo com o técnico Rafael Astrada, isso não impede que o entrosamento ocorra entre os atletas. “Além das épocas em que eles treinam juntos, todo mês, na Seleção Brasileira, a gente também faz um esforço para que eles venham pelo menos umas três vezes ao ano aqui”, afirma.

Antes do Brasileiro de Futebol de 5, por exemplo, os atletas de outros Estados saíram diretamente da concentração da Seleção para o Rio Grande do Sul. Aqui, treinaram com os 12 atletas que já integram a base do time da Agafuc por uma semana antes de embarcarem para Salvador.

Ajudando e sendo ajudados

A equipe foi formada em sua maioria por atletas que já jogavam futebol de 5 em entidades que prestam assistência a pessoas com deficiência. O projeto, desde 2010, é continuar realizando um trabalho social – desta vez, mais especializado, focado nos jogadores – aliado à criação de uma equipe de alto nível.

De acordo com Pedro Antonio Beber, presidente e camisa cinco da Agafuc, o projeto dá certo porque há muito trabalho. “Buscamos apoio via Lei de Incentivo ao Esporte, temos patrocinadores, e o apoio de instituições como a Universidade La Salle e a Prefeitura, que nos cede a cancha adaptada no Bairro São Luis. Somos, inclusive, uma das poucas equipes no Brasil com este recurso”, agradece.

Mesmo sendo considerado um trabalho que ainda dá pouca visibilidade, a ajuda que a Agafuc recebe é convertida em uma infraestrutura considerável. Além de pagamentos aos atletas e à comissão técnica, o dinheiro arrecadado transforma-se em fardamentos, custeio de passagens e estadia para competições, e ainda a divulgação via assessoria de imprensa. “Temos até dois fardamentos justamente para poder agradecer a todos. Tem gente por aí que consegue via Lei de Incentivo e nem agradece. Entregamos inclusive relatórios de prestação de contas a cada trimestre”, explica o presidente Beber.

Para o futuro próximo, a equipe canoense de futebol 5 espera fazer ainda mais. Além das participações no campeonato estadual, o Paracerga, e municipal, o Parajac, com os atletas locais, a Agafuc quer formar uma equipe de base, com jogadores mais novos. “Hoje o time principal tem idades entre 14 e 55 anos. Então a gente quer lidar com esse fato de uma outra forma”, aponta o treinador Astrada.