Audiência Pública debate alternativas para o Integração

Alunos da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), promoveram na última terça-feira, 29, Audiência Pública para discutir alternativas para a melhoria do serviço do transporte integração. Realizado pelo Diretório Central de Estudantes (DCE) da instituição, o evento contou com a presença do secretário de Transportes e Mobilidade de Canoas, Ademir Zanetti e do Chefe do Departamento de Transportes Metropolitanos (DEPTM) da Metroplan, Danilo Rossi Landó.

Reivindicações

Paulo Schonhorst, tesoureiro do DCE, abriu os trabalhos da Audiência relatando as reivindicações dos estudantes: “Temos má qualidade do serviço prestado e alto custo da tarifa para um trajeto tão curto”. Representando a direção da Ulbra, a professora Dalva Santana destacou que a audiência é um espaço democrático e que é sempre positivo receber esse tipo de iniciativas na Universidade.

Debates

Em sua fala inicial, Danilo Landó reafirmou o que disse a O Timoneiro em reportagem publicada em julho. De acordo com o representante da Metroplan, a tarifa não é calculada individualmente. “É uma média de toda a região metropolitana. Realmente, dessa forma, pode ser cara nessa situação”. Como ressalva, Landó destaca a existência do passe livre para estudantes com baixa renda.

Mudanças

Como um ponto de partida para melhorias, Danilo explicou que a atual política de gestão da Metroplan estabeleceu uma idade limite para os ônibus do sistema. Além disso, de acordo com ele, a instituição prepara um estudo de modelagem, que pode demorar até um ano para ser concluído. “Isso pode redefinir os tipos de ônibus usados e as tarifas cobradas”. Sobre o serviço prestado na Estação São Luis, ele admite que o funcionamento não é o ideal: “Realmente há um problema na estação São Luis. Não podemos botar mais de dois ônibus ali. Não tem espaço. Isso acaba superlotando os veículos nos horários de maior movimento”. Landó promete que a Metroplan já está levantando informações para resolver esse problema.

Município

Mesmo com a maior competência relacionada ao problema sendo da Metroplan, o secretário de Transportes e Mobilidade de Canoas, Ademir Zanetti, se fez presente. O representa do município falou sobre alternativas para uma solução e criticou o atual sistema de tarifas de transporte coletivo, questionando a gratuidade de passagens: “Só deveria ser gratuito para quem não tem emprego. O povo acaba pagando caro por conta disso. Temos que reduzir as gratuidades. A atual tarifa é injusta”. Como tentativa de solução para o problema de espaço físico na estação São Luis, o secretário anunciou mudanças na Rua Uruguai, que passará a ser mão única no sentido Getúlio Vargas – Ulbra, até a Rua Canadá. “A mudança estará concretizada até o final da próxima semana”, prometeu o secretário.

Presidente DCE

“Desde que iniciamos o movimento observamos o fluxo do integração. Isso tem nos preocupado bastante”, afirmou Stéphanie Do Prado, presidente do DCE. A estudante questionou os presentes sobre a criação de alternativas para o transporte coletivo: “muitos alunos faltam aulas por não ter dinheiro para o transporte”. Outro problema é com relação ao Passe Livre, que só cobre viagens intermunicipais. Desta forma, estudantes de Canoas não podem contar com esse benefício na Integração com o Trensurb.

Ulbra

Ademir Zanetti ainda sugeriu aos estudantes que cobrem da Ulbra a possibilidade de um sistema parecido ao da Unisinos, que paga o transporte Integração na cidade. “A Ulbra também deve ser cobrada. Ela poderia arcar com o valor para que o transporte de estudantes até a instituição seja gratuito. Para a instituição esse valor seria muito pequeno.”