Em greve, funcionários protestam em frente aos hospitais da cidade

Iniciou, às 8 horas desta quarta-feira, 5, a paralisação por tempo indeterminado dos funcionários que atuam nas instituições de saúde administradas pelo Gamp e pela Associação Beneficente de Canoas (ABC). A movimentação abrange profissionais do setor de enfermagem (enfermeiros e técnicos), além de farmacêuticos, radiologistas e demais profissionais de nível médio e técnico. Os funcionários protestam contra salários atrasados, falta de equipamentos, materiais de trabalho e insumos.

A greve geral por tempo indeterminado foi definida em assembleia intersindical, no dia 29, em frente ao Hospital Universitário de Canoas, pelas categorias profissionais representadas pelo Sindisaúde-RS, Sergs, Sinttargs e Sindifars.

Segundo a Prefeitura de Canoas, o atual colapso se dá por atraso de repasses do Governo do Estado. Em reunião, na segunda-feira, 3, entre o Prefeito e Sindicatos, a gestão mostrou relatório afirmando que repassou R$ 16 milhões ao Gamp no último mês.

Hospitais e rede de saúde em greve

– Hospital Universitário (Gamp);

– Hospital de Pronto Socorro (Gamp);

– UPA’s Rio Branco e Caçapava (Gamp);

– Unidades de atenção psicossocial (Gamp);

– Hospital Nossa Senhora das Graças e rede de saúde (ABC).

Como resposta ao momento de crise, os vereadores da cidade estiveram em Porto Alegre, buscando apoio na Assembleia Legislativa para pressionar o Governo do Estado, que deve aproximadamente R$ 48 milhões em repasses para Canoas.