Entrevista – Pré-candidatos ao Piratini Eduardo Leite relata propostas

O jornal Timoneiro recebeu, na última terça-feira, 26, a visita do pré-candidato do PSDB ao governo do Estado, Eduardo Leite. Na ocasião, o ex-prefeito de Pelotas falou sobre sua atuação no município e explanou propostas para o Rio Grande do Sul.

Motivação

Leite afirma que o sucesso na sua gestão como prefeito de Pelotas foi determinante para a decisão atual: “Isso nos promoveu nesse processo, que começou a gerar provocações para uma candidatura ao governo do estado”. Nesse momento, Eduardo conta que aliou a política com uma missão pessoal: “O Estado realmente precisa de uma nova dinâmica, um passo adiante, com conciliação de agenda de ajuste fiscal a uma pauta de desenvolvimento que coloque o RS na mira de investimentos”. O pré-candidato ainda afirma que sua maior motivação é valorizar o potencial do Rio Grande do Sul.

Economia

Questionado sobre a atual crise financeira do Estado, Leite destaca que sua prioridade é colocar os salários dos servidores em dia: “Não tem como falar em serviços prestados sem isso”. O tucano ainda estabelece uma pauta de contenção de despesas e de promoção ao desenvolvimento econômico no Estado. De acordo com Eduardo, é necessário melhorar três pontos cruciais: infraestrutura, burocracia e carga tributária. “Não tem como resolver a questão fiscal no Estado sem fazer essas mudanças”, afirma.

Segurança

“A participação do Estado tem que ser crescente nesse setor. Temos que garantir que milhões de pessoas consigam conviver de forma harmoniosa e pacifica”, resume o pré-candidato. Para ele, o governo deve ter “inteligência, integração e melhor aproveitamento nas estruturas existentes”. Leite defende a realização de planos de segurança e integração com os municípios, além de uma visão sistêmica da segurança pública, desde a prevenção ao policiamento ostensivo, culminando com a reestruturação do sistema prisional.

Saúde e Mobilidade

A maior preocupação de Leite é com os repasses do governo estadual, que tem atrasados nos últimos meses, comprometendo o atendimento ao cidadão. “Temos que promover o acerto das contas para termos previsibilidade desses repasses. Isso tem gerado muitos problemas”. Por outro lado, Eduardo destaca que o Estado também deve atuar na atenção primária, trabalhando na prevenção, de forma estratégica.

Mobilidade

“Nossa infraestrutura é muito precária”, critica. Leite afirma que o Estado, atualmente, é dependente do modal rodoviário. Com isso, ele propõe que sejam priorizados investimentos para uso de transporte ferroviário. Ele também destaca o foco em hidrovias: “O investimento é relativamente baixo com relação aos outros modais. Isso pode ser feito em parceira com a iniciativa privada também”.