Família e amigos reúnem forças para lutar pela saúde da Dudinha

Quando uns ajudam aos outros, alguns obstáculos da vida podem ser ultrapassados. Isso é o que tem sido experimentado por Eduardo Marona e Sandra Christ, pais de Maria Eduarda, a Dudinha. Diagnosticada, em outubro do ano passado, com Paralisa Cerebral, a criança começou a realizar uma série de tratamentos de estímulo para poder caminhar, correr e falar. Isso tudo é muito caro e, por isso, a família tem contado com a ajuda de amigos e simpatizantes para o custeio. Em Canoas, será realizado evento especialmente em prol de um objetivo: garantir um futuro saudável para Dudinha.

Torneio

Será realizado, no dia 1° de Outubro, na Arena FM Soccer, na Avenida Açucena, 2071, o Torneio Beneficente Pela Nossa Dudinha. Organizado por Douglas Reis Goga, sócio de Eduardo Marona na Escolinha de Formação de Atletas EDuardo FAED, o evento terá toda a renda revertida para a Dudinha. De acordo com Douglas, escolinhas que quiserem participar ou ajudar na campanha, podem entrar em contato pelo telefone: 982236862, ou pela página @pelanossadudinha. Podemse inscrever no torneio equipes nas categorias sub 7, sub 9 e sub 11. Além de partidas de futebol, o Torneio contará com shows musicais, food trucks e brinquedos.

Histórico

Maria Eduarda nasceu prematura de 33 semanas pesando 1510 kg. Sua chegada não foi nada fácil, como lembra o pai, Eduardo: “Ela teve uma asfixia ao nascer, foi entubada e levada a neonatal onde permaneceu por longos 85 dias internada. Como ela era um bebê grave, segundo os médicos, só pudemos pegá-la no colo após 41 dias de nascida”. Após os sete meses de idade, Dudinha usava muita medicação para evitar convulsões, que chegaram a motivar uma internação no hospital Santo Antônio da Criança, em Porto Alegre.

Paralisia Cerebral

A descoberta da doença só ocorreu quando a Dudinha já tinha um ano e oito meses: “Neste momento nosso mundo desabou”. Eduardo conta que a partir desse momento começaram a pesquisar tudo sobre paralisia cerebral, assim como tratamentos.

Portugal

O melhor tratamento encontrado foi no Instituto Luso-Cubano de Neurologia, localizado em Portugal. Lá, são realizadas terapias intensivas, onde o paciente entra às 9 horas e sai às 17 horas, com pausa para o almoço. Os serviços abrangem terapia da fala, terapia ocupacional, psicomotricidade, neuropsicologia, fisioterapia, além de acompanhamento médico e de nutrição.

O problema é o custo: 5990€ por 30 dias, aproximadamente R$ 22 mil mensais. A família se mudou para Portugal em dezembro do ano passado e iniciou o tratamento com a ajuda de doações e campanhas. Agora, com falta de dinheiro, continuam lá, mas sem ir na clínica. A luta do momento é para recomeçar o tratamento que já havia começado a mostrar resultados: “percebemos uma mudança gigantesca na Duda na parte cognitiva, mesmo ela não falando, ela se expressa, e consegue interagir conosco seja através de sons, ou expressões faciais e corporais, relata Eduardo.

Independência

Os pais da Dudinha têm como maior preocupação a independência da filha. Mesmo com dificuldades em um país distante, com gastos com aluguel, comida, transporte, terapias e exames, eles querem continuar com a luta. “Ela tá a cada dia mais esperta, feliz, amorosa, que é o que mais importa. Vamos fazer o máximo possível por ela. Pois queremos ter a certeza que o dia que não estivemos mais aqui ela não ficará dependendo”, conclui Eduardo.

Para ajudar a DUDINHA:

Conta no Banco do Brasil
Agência: 3334-0
Conta corrente: 9286-X
CPF: 926.851.610-15
Favorecida: Sandra Christ