Finais de Canoas Startup Show lotam Salão de Atos da Unilasalle

startup (1)
Marcelo Grisa
marcelogrisa@hotmail.com

No último dia 26 de outubro, o Salão de Atos da Universidade La Salle foi palco da final da primeira edição do concurso Canoas Startup Show (CSS). Na etapa final, cada uma das cinco finalistas apresentou seus produtos e foi questionada pela banca examinadora, formada pelos professores Sílvio Denicol Junior, Jefferson Monticelli, Fabrício Augusto Kipper, Robinson Scholz, Carlos Sabrito e Moises Waismann.

Como funciona a CSS

As inscrições ocorreram ainda no final do mês de junho. Aberto a empresas de Canoas, Região Metropolitana e Porto Alegre, a competição foi organizada pelo CDL Jovem Canoas em parceria com a universidade.
Depois da primeira seleção, 15 startups foram apresentadas no site do CSS. Além disso, receberem oficinas, workshops e mentorias com profissionais especialistas nessa modalidade empresarial. Após as capacitações é que foram escolhidos os cinco finalistas: Braivox, Conta Ágil, Eurekka, Moagro e Radak.

Convencendo Tubarões

Uma das investidoras do programa de TV a cabo Shark Tank Brasil, a carioca Camila Farani, esteve presente no evento. Além de falar sobre sua carreira e novos projetos, a investidora, que hoje tem participações em mais de 30 startups, falou sobre como atrair participações em novos negócios que agreguem valor tanto aos empreendedores nascentes como aos que colocam seu dinheiro no negócio.

Para Camila Farani, a parceria entre investidor e empreendedor precisa ser complementar. Vários aspectos são importantes, tais como a afinidade do investidor em questão com a área de atuação da empresa. Os indicadores prévios do produto ou serviço da startup são vitais para o convencimento. Tudo isso exige preparação. “Seis meses antes, você começa a fazer contato com alguns investidores. ‘Eu quero ouvir a sua opinião.’ Pior coisa é quando você já chega pedindo dinheiro. O investidor não gosta de se sentir como um banco”, argumentou.

Projetos diversificados

Os grandes vencedores da noite foram os portoalegrenses da Eurekka. A startup da área de Psicologia, que ganhou um período de incubação de três meses na Unilasalle, produz conteúdo sobre auxílio psicológico. A empresa oferece soluções online para ajudar aqueles que sofrem com males como a ansiedade e a insônia. Ainda conta com uma rotina automática para o aplicativo de mensagens do Facebook que responde perguntas sobre estes e outros temas. Mais recentemente, a Eurekka também abriu uma sede física que funciona como consultório para terapia, cursos, workshops e coaching.

A equipe da Eurekka acredita que o Canoas Startup Show ajudou-os a pensar em ajustes para o modelo de negócios da empresa. “Gostei muito de uma coisa que a Camila falou, que é sobre a coisa ser uma maratona, e não um sprint. A gente às vezes tem essa ideia de começar e pensar que daqui a uma mês eu vou ter milhões, e a maioria morre porque não tem aquela força de seguir com consistência. A gente vai seguir na consistência”, afirmou Henrique Souza, um dos sócios.

Outros participantes também compareceram às finais para expor seus negócios em estandes no local. Uma delas é a canoense Upam, que apresenta uma proposta de aplicativo para encurtar a distância entre pacientes e médicos. Em vez de procurar no Google, é possível consultar uma base de dados de médicos. “A pessoa que está presa na correria do dia a dia, ou que tem algum tipo de deficiência, também pode pedir atendimento a domicílio”, aponta um dos sócios, Nicholas Bianchi.