Funcionários do Gamp apontam problemas em pagamentos

O final de ano tem sido de incertezas para os funcionários do Gamp, empresa que geria grande parte do sistema de saúde de Canoas e que foi retirada de suas funções após operação realizada pelo Ministério Público. Após o escândalo, a Prefeitura assumiu a gestão do HU, HPS e Upas como interventora e teve que agir para quitar os salários e direitos atrasados de todo o quadro de funcionários das instituições. Na última semana, o Timoneiro noticiou que os pagamentos seriam feitos, de acordo com a atual gestão, até a sexta-feira, 28. Isto não ocorreu em sua totalidade devido a uma série de problemas. Sindicatos como o Simers e Sindisaúde apontaram a situação e tiveram reuniões com a gestão na última semana. Novos prazos apontam que a quitação total das dívidas com funcionários ocorrerá até o final de janeiro.

Simers

O Simers afirma que cobrou esclarecimentos sobre o pagamento dos médicos que atuam em unidades que eram administradas pelo Gamp. Em reunião realizada na manhã desta quinta-feira, 3, com representantes da Secretaria de Saúde, o presidente da entidade médica, Marcelo Matias, reivindicou uma resposta definitiva sobre a quitação dos valores. “Queremos entender por que os médicos receberam valores diferentes e quando irão receber o que está pendente. Essa resposta é urgente”, destacou Matias. Durante a reunião, que teve a participação dos diretores Vilma Cidade e Jorge Luiz Winckler, a assessoria jurídica do Simers destacou que uma equipe de dez médicos de um dos hospitais de Canoas não havia recebido qualquer valor.

De acordo com o sindicato, o presidente da Fundação Municipal de Saúde de Canoas, Fernando Ritter, anunciou uma nova previsão dos pagamentos: Quitação do 13º salário – 04/01. Salário de dezembro e FGTS – 15/01. Segundo Ritter, a estimativa da Prefeitura é de que até o final do mês todos os valores pendentes estejam quitados, mas alertou que a falta de repasses do Governo do Estado pode inviabilizar a folha de janeiro.

Sindisaúde

De acordo com o secretário geral do Sindisaúde, Julio Jesien, aproximadamente 1000 pessoas tiveram problemas com os pagamentos que haviam sido prometidos para o dia 28. Ele afirma que passou à Prefeitura uma relação de trabalhadores que ainda não receberam. “A relação com os interventores está tranquila. Eles têm nos atendido e nos dado retorno. Até em questões pontuais. A princípio há um bom acesso e eficácia na solução de problemas que têm ocorrido”, destaca Julio.

O que diz a Prefeitura

A Prefeitura de Canoas afirma que tem feito todos os esforços para garantir o pagamento do 13º salário e os outros benefícios aos funcionários do Gamp. A necessidade de realizar a operação em outro banco se dá pelos bloqueios financeiros impostos pela Justiça aos bens da empresa investigada. A Prefeitura diz que preferiu abrir uma conta alternativa para garantir que o pagamento fosse direito para os profissionais, não correndo o risco de ser bloqueado. A troca de bancos demanda uma série de processos burocráticos, por isso há necessidade de compreensão.

“Boa parte dos funcionários já recebeu os valores na quinta, 27, e sexta-feira, 28. No entanto, uma parcela minoritária deles ainda não teve acesso aos valores, já que têm pendência no banco ou estavam com cadastro desatualizado. Estes estão chamados para a regularização dos dados e recebimento dos recursos”, conclui a nota da Prefeitura.