Funcionários do HNSG decidem entrar em estado de greve

DSC_0050(1)O Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnicos, Duchistas, Massagistas e Empregados em Casas de Saúde do RS (Sindisaúde-RS) e os trabalhadores do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), realizaram assembleia na quinta-feira, 16, no auditório do hospital. Na ocasião, foi decidida a entrada em estado de greve, que passa a vigorar a partir de publicação de edital, que deve ocorrer na próxima semana.

De acordo com o Sindisaúde-RS, as categorias não se desmobilizaram depois que a gestão quitou os salários na terça-feira, 14, depois de sete dias atrasados. A entidade aponta que funcionários relataram denúncias de assédio moral, férias ainda não pagas e o receio de que o atraso salarial ocorra novamente no mês que vem.

“Se eu trabalhei o mês inteiro, cumpri minhas obrigações, eu quero receber. Não me interessa a justificativa do patrão: ele tem que cumprir com as obrigações dele”, afirmou o diretor jurídico do Sindisaúde-RS, Luciano Soares. O diretor de Assuntos do Interior do Sindisaúde-RS, Júlio Duarte, que conduziu os trabalhos, encaminhou ainda a formação de uma comissão de funcionários para acompanhar as entidades de classe em futuras negociações. Ao final da assembleia, os trabalhadores votaram, positivamente e de forma unânime, pela entrada em estado de greve.

Estado de greve

A entrada em estado de greve não significa que os serviços irão parar de imediato. Entretanto, segundo o Sindisaúde-RS, garante ao trabalhador, havendo justificativa para uma paralisação, que esse movimento possa ser realizado imediatamente, sem a necessidade de publicação de novo edital, e mesmo da realização de uma assembleia oficial. “Basta apenas uma reunião, em que seja manifestada a vontade coletiva de cruzar os braços por algumas horas, para que o movimento aconteça, sem que nenhuma sanção legal possa ser imposta aos trabalhadores”, informa o sindicato.