Greve dos caminhoneiros muda rotina da cidade

A rotina dos canoenses, assim como de todos os brasileiros, foi modificada nos últimos dias devido ao aumento dos combustíveis e à greve dos caminhoneiros. Com as manifestações, postos de gasolina e supermercados ficaram desabastecidos, causando filas e transtornos.

A Federação dos Caminhoneiros Autônomos do Estado do Rio Grande do Sul (Fecam-RS), que aderiu a greve, lançou a campanha “Caminhoneiro, cruze os braços!”. De acordo com a entidade, “não é mais possível transportar nesse custo”. Sergio Oliveira, membro da diretoria do Sindicato de Taxistas de Canoas, manifestou apoio à paralisação pelos altos custos do diesel e da gasolina. “Vamos à luta também. A repercussão está sendo boa, temos que nos unir. Do jeito que a coisa está, é impossível de trabalhar. Sem caminhoneiro não temos nada, está parando tudo e vai parar mais. Se tiver que parar também, vamos parar”.

A Prefeitura de Canoas, diante deste contexto, divulgou nota sobre os serviços prestados a comunidade, garantindo o funcionamento dos serviços essenciais à população nos próximos dias, mesmo com a greve dos caminhoneiros.

Preocupação

A Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Rio Grande do Sul, em nota, informa que, “devido à paralisação dos caminhoneiros, realizada em todo o país, alguns serviços de saúde, especialmente eletivos, podem sofrer alterações, adiamentos ou cancelamentos”.