Implantação do Aeromóvel está suspensa por tempo indeterminado

A Prefeitura de Canoas encaminhou, na segunda-feira, 26 de fevereiro, ofício endereçado à empresa Aeromóvel Brasil S/A, comunicando a interrupção, por tempo indeterminado, da execução dos serviços estipulados no contrato entre as partes. O executivo municipal tomou tal atitude após receber parecer da Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan). A entidade afirma que o projeto de implantação do aeromóvel na cidade não possui viabilidade jurídica nem material de execução.

No parecer, a Metroplan destaca que o modal é inadequado para a realidade local, não é apropriado para o transporte de massa e não apresenta viabilidade tarifária. Ainda, o texto afirma que, já que o aeromóvel prevê interação com a Trensurb, o projeto deveria ter sido avaliado pela Metroplan, que é o órgão com autoridade legal para a gestão do sistema de transporte coletivo metropolitano. “A iniciativa do Município, portanto, invadiu a competência privativa da Metroplan”, conclui a nota.

Gastos

Segundo o executivo, já foram gastos R$ 54.856.102,42 no projeto de implantação do Aeromóvel de Canoas. A Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) questionou a implantação do sistema já que, segundo a instituição, a Prefeitura não respondeu às solicitações técnicas, feitas em 2016. A Metroplan informou, na época, que “estava impossibilitada de aprovar o projeto de implantação”.

O que diz a Prefeitura

Em nota, a Prefeitura afirma que “em 2017, a atual administração da Prefeitura de Canoas respondeu a todos os questionamentos do órgão estadual e disponibilizou toda a documentação necessária, o que culminou com o parecer da Metroplan. Diante da posição do órgão, o projeto do aeromóvel de Canoas está suspenso. Os órgãos técnicos do Executivo Municipal estudam as medidas necessárias para a descontinuidade dos contratos firmados com a empresa Aeromóvel Brasil S.A., por imposição dos documentos apresentados pela Metroplan”.

O que diz a Aeromóvel

O diretor executivo da Aeromóvel Brasil, Marcus Coester, afirma que, na prática, o projeto já estava lento: “Agora se formalizou esse processo. Estamos aguardando para saber como o município quer dar continuidade. É claro que não é do nosso agrado esse processo. Nossa disposição é de colocar o sistema em funcionamento e melhorar a mobilidade da cidade. Estamos abertos ao dialogo”, completa Coester.