Médicos do HNSG paralisam por atraso de seis meses nos salários

Ambulatório do SUS do Hospital Nossa Senhora das Graças. Foto: Bruno Lara/OT

Ambulatório do SUS do Hospital Nossa Senhora das Graças. Foto: Bruno Lara/OT

 

Em reunião na última quarta-feira, 26, o corpo clínico do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) optou por paralisar os seus serviços. Pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e dos convênios serão atingidos pela medida. O grupo pede o pagamento de dois salários atrasados para retomar o trabalho. Serão mantidos na entidade filantrópica os atendimentos que tiverem caráter de urgência e emergência.

Em entrevista a OT, o superintendente do HNSG, Régis Marinho, afirmou que apenas os anestesistas paralisaram o serviço, em função de uma “mudança na relação contratual”. Ele garante que somente esta equipe fez a manifestação, mas que ela está atendendo na urgência e emergência. “A gente está em um ponto da discussão contratual”, afirma.
Marinho garante que a competência foi “paga dentro da condição de acerto” e que está em dia. “Nós estamos com as competências em dias todos os meses”, pontua. “Negociação que o HNSG está em tratativa com cada equipe”, conclui. Segundo ele, os recursos são repassados direto aos médicos quando chegam da Prefeitura.

O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) teve reunião com a diretoria do hospital e com a secretaria de Saúde na quinta-feira, 27. Segundo interlocutores do sindicato, a Prefeitura se comprometeu em pagar os vencimentos de outubro até a segunda-feira, 31, e realizar os pagamentos dos meses de novembro e dezembro. Não se comprometeu, porém, com os demais seis que já estão atrasados. Interlocutores afirmam que ao menos traumatologia, cirurgia e anestesistas devem paralisar as atividades.

O que diz a Prefeitura

Questionada, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que “a Prefeitura de Canoas está em dia com os pagamentos ao hospital e que está cumprindo com o compromisso assumido com as equipes médicas de realizar o pagamento de uma competência dentro do mês corrente. Portanto, não há atraso nos pagamentos à instituição. Em reunião nesta quinta-feira, 27, a SMS reafirmou este compromisso”, disse.