Oktoberfest recebe 100 mil pessoas no Parque Eduardo Gomes

Émerson Vasconcelos
Chefe de Redação

Entre os dias 11 e 15 de outubro, ocorreu no Parque Eduardo Gomes a primeira edição da Oktoberfest Canoas. O evento, realizado pela Camarote Produções, reuniu cerca de 100 mil pessoas durante os cinco dias de atividades. Nomes de peso da música nacional realizaram apresentações que lotaram a arena de shows, que foi o principal atrativo da festa. Além disso, o evento também contou com feira de artesanato, ampla praça de alimentação e um espaço reservado à cultura alemã.

O evento recebeu pessoas das mais diversas idades e a diversão foi garantida para quem entrou na festa até mesmo com a forte chuva que caiu na cidade nos três primeiros dias. Um dos acertos da Camarote Produções, proprietária da Oktoberfest Canoas, foi a instalação de uma cobertura na arena de shows, o que permitiu que o público presente pudesse assistir as apresentações sem se molhar. A qualidade do som também foi outro ponto positivo percebido e elogiado pelos presentes, uma vez que em eventos deste porte não é raro ocorrer problemas para ouvir as músicas. No entanto, nem tudo relacionado aos shows foi elogiado pelo público. No primeiro dia, Anitta subiu ao palco antes do horário previsto, o que irritou quem se programou para chegar no local às 22 horas.

Outro problema que marcou o primeiro dia da Oktoberfest foi a organização da fila e a falta de agilidade para entrada do público no parque. Milhares de pessoas aguardavam em uma fila que saía do parque e causava tumulto na rua, o que fez com que muitos dos que esperavam sequer conseguissem entrar a tempo dos shows, mesmo com ingressos já comprados. A partir do segundo dia de festa a entrada se tornou mais ágil e os shows começaram pontualmente ou com apenas pequenos atrasos em relação à programação.

O esforço da Camarote de reservar uma área à cultura alemã e nomear os palcos em alusão ao país deve ser pontuada como algo positivo. Seria fácil ocorrer um distanciamento total da temática clássica de uma Oktoberfest com atrações nacionais com a força das que foram trazidas nesta edição. No entanto, de fato, o parque tem espaço para que esta área relacionada à cultura e, especialmente, à apresentação das tradicionais bandinhas alemãs, sejam ampliadas.

Shows empolgantes

Nos shows, cabe destacar a apresentação da atração local Armandinho, que em muitos momentos empolgou o público mais do que Thiaguinho, a atração nacional que se apresentou logo depois, também fazendo um show impecável.

Além das fortes emoções já esperadas pelas apresentações de Anitta, Simone & Simaria, Luan Santana e Wesley Safadão, cabe uma menção honrosa à performance da dupla Bruno e Marrone. Os dois sertanejos, que assumem o brega, sem qualquer conotação pejorativa no termo, como parte de seu estilo musical e visual, entregaram um show rechado de hits, que foram cantados por pessoas das mais diversas idades, fazendo da noite de sábado a que mais levou famílias inteiras à arena.

Tratamento para a imprensa

O saldo da qualidade do evento, entre erros e acertos, foi muito positivo para a primeira edição de uma festa que apesar de realizada em um parque cedido pela Prefeitura, foi realizado com recursos 100% privados. No entanto, um erro grave da Camarote Produções foi dificultar o trabalho da imprensa durante praticamente todos os dias da Oktoberfest. Para entrarem no local e retirarem suas credenciais, os jornalistas precisaram deixar um documento com foto retido na bilheteria, o que não é uma exigência nada comum em coberturas.

Além disso, o horário limite para retirada do documento era 00h30min, o que inviabilizava a cobertura completa dos shows e gerou grandes transtornos especialmente na quarta noite, quando Bruno e Marrone subiram ao palco à meia-noite. É necessário que a Camarote Produções reveja a forma como trata os veículos de comunicação para que a imprensa possa desempenhar seu trabalho de forma plena na próxima edição, o que não foi possível desta vez.