Opinião: Uma tarde de domingo

Zeca16022016

Por José Carlos Rodriguez

Na tarde de domingo, estava fazendo Zapping, tentando apaziguar a minha ansiedade. Sempre acontece. Às vezes os domingos são chatos, só o que salva é a companhia da família ou dos amigos. Eis que encontro, em um canal, um documentário chamado “Uma noite de 67”. No palco estava a nata da MPB, Chico, Gil, Caetano, Edu Lobo, até o Roberto Carlos estava, sempre com o mesmo penteado (rsrs).

Era 21 de outubro de 1967. No Teatro Paramount, centro de São Paulo, acontecia a final do III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record. Entrou para a história dos festivais, da música popular e da cultura do Brasil, pois é naquele momento que o Tropicalismo explode, a MPB racha, Caetano e Gil se tornam ídolos instantâneos e se confrontam as diversas correntes musicais e políticas da época.

Disputavam o primeiro lugar Chico, com seu Roda Viva, Gil, com seu Domingo no Parque, e Edu Lobo e seu Pontiado. Edu ficou em primeiro, Gil em segundo e subiu ao palco com Os Mutantes, com o baixista Arnaldo Baptista e aquela roupa estranha, uma jovem Rita Lee mais ao fundo ajudando nos vocais e o cabelo estranho à Lá Beatles de Sergio Dias. Emocionante a execução de Roda Viva de Chico Buarque. Mas o desfrute de tudo estava nas entrevistas, feitas ali mesmo, antes de entrar no palco, com um teatro lotado, todo mundo girando por ali, um jovem Caetano, Gil, Chico, Sergio Ricardo, Roberto Carlos, dando entrevistas, conversando entre eles. Inexplicável o sentimento na hora em que eles cantam cada um sua música, quanta elegância, não só na vestimenta, mas também na postura. A platéia era um show aparte.

No mesmo domingo, a primeira notícia que vejo ao acessar um site de noticias era sobre um show de Jorge Benjor. Um cidadão pagou ingresso, sentou na primeira fila só para chamar Benjor de “Criolo sujo”. Em que cabeça cabe a mentalidade de alguém que paga para avacalhar o artista desse jeito? Como parte dos brasileiros é ingrato com seus artistas, xinga no show, xinga na rua. Eu tinha uma professora de teatro que sempre dizia. “Mesmo não gostando do espetáculo, aplauda. Por trás disso houve um trabalho bem intencionado para fazer alguma coisa melhor”. Eu tenho que entender que se você xinga o Pele na rua, você não entende nada de futebol, portanto insultar o Chico Buarque na rua, e para quem não entende nada de música, pagar ingresso para insultar além de burrice e doentio, e mais, perdeu a noção de identidade. Acredite, gente com Tom Jobim, João Gilberto, Hermeto Pascoal, Gonzaga, Elis Regina, Nana Caymmi, Marisa Monte, Alcione e até Teixeirinha e Gildo de Freitas, só por citar alguns, são expressões da enorme variedade cultural de um país que é um continente, que tem um forte apego aos seus regionalismos, mas tudo faz parte do mesmo. E muitos deles saíram pelo mundo levando essa variedade cultural que e admirada e aplaudida de pé.

Antes do carnaval, houve uma enxurrada de postagens nas redes sociais, criticando o carnaval, a maior, senão a única, expressão da cultura popular, e o reality show BBB, um programa que só existe por que tem candidatos que querem participar. Quando faltar candidatos, termina. Eu imaginava todo esse pessoal sentado na varanda de suas casas, saboreando um chá, lendo livros, ouvindo boa música. As redes sociais acordaram alguns monstros adormecidos em parte da população, o triste é que não vamos atrás do que realmente interessa que é a informação verdadeira e imparcial. Chegaremos a um ponto de odiar nossos artistas só por uma questão político-ideológica, esquecendo o quanto eles contribuíram para a formação cultural e da identidade deste país. Cazuza teve sorte quando ele deu aquela entrevista com a bandeira comunista pendurada na parede. As redes sociais não existiam.  Se fosse nos dias atuais, imaginem só.