Parada Livre de Canoas reúne 25 mil pessoas

A 9° edição da Parada Livre de Canoas contou com cerca de 25 mil pessoas, de acordo com números divulgados pela Pefeitura. Nem mesmo a chuva atrapalhou a festa. Um diferencial desta edição foi a Tenda André Pereira, que levou ao Eduardo Gomes amostras de literatura temática, moda e palestras. André Pereira, canoense militante da causa gay e portador de deficiência, foi morto em 2016, vítima de homofobia. Coordenado pelo Conselho LGBT, o espaço resgatou um pouco da história deste importante personagem da luta contra o preconceito.

Para o secretário da Cultura e do Turismo, Mauri Grando, o resultado do evento ficou acima das expectativas da organização. “Apesar das condições adversas do tempo, o público correspondeu e se fez presente neste momento. A nossa cidade está empenhada na luta contra a homofobia. Desta forma, queremos dar oportunidade de manifestação a todos, fazendo com que se sintam respeitados em todos os espaços públicos”, avalia Mauri.

Antes do início do show da cantora Ludmilla, o público esperava ansioso o momento em que ela subiria ao palco. Em suas redes sociais, a artista havia publicado um vídeo falando que estava gripada, mas que contaria com a ajuda de todos para fazer a sua apresentação. Pouco depois das 21 horas, Ludmilla subiu ao palco principal ao som do hit “Cheguei”, levando a plateia ao delírio.

Bem em frente ao palco, após dias de ensaio, o grupo de dançarinos apresentou o resultado do Flash Mob Contra a Homofobia.