Petroleiros querem redução dos preços de gás e combustíveis

O Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Sul (Sindipetro-RS), responsável pelos trabalhadores do Sistema Petrobrás no estado, realizou greve na última quarta-feira, 30, em protesto contra o s valores do gás de cozinha e dos combustíveis. As pautas de reivindicação também abrangiam a contrariedade com relação à privatização da empresa; a retomada da produção interna de combustíveis; o fim das importações da gasolina e outros derivados de petróleo e a saída imediata do presidente da Petrobrás, Pedro Parente. Mesmo com estimativa de duração de 72 horas, a mobilização foi encerrada na quinta-feira, 31, por decisão do sindicato em assembleia.

Política de preços

Em nota, o sindicato critica a atual política de preços da Petrobras: “é reflexo direto do maior desmonte da história da Petrobras. Desde julho de 2017, os reajustes passaram a ser diários. A Petrobras alterou 230 vezes os preços nas refinarias, com aumentos de mais de 50% na gasolina e diesel”. Segundo o presidente do Sindipetro-RS, Fernando Maia, esta situação deverá ser agravada. Em 2013, de acordo com o sindicalista, a Petrobras tinha capacidade de atender 90% da demanda interna de combustíveis. Em 2017, esse percentual foi diminuído para 76%. No caso da Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP), em Canoas, o sindicato afirma que a planta trabalha hoje com 67% de sua capacidade de produção. “A Petrobras tem capacidade para abastecer integralmente o país com diesel, gasolina e gás de cozinha a preços bem abaixo do mercado internacional. É uma opção política e este governo optou pelo mercado e não pelo povo”, afirma o presidente do Sindicato.

Metroviários seguem em estado de greve

Além dos petroleiros, outra importante categoria também vive momento de indefinição quanto a paralisações. Em assembleia geral realizada na tarde de quarta-feira, 30, o Sindicato dos Metroviários do Rio Grande do Sul decidiu manter o estado de greve; não fazer horas extras, antecipar entradas e prorrogar saídas enquanto as negociações não forem encerradas; realizar uma atividade de mobilização na terça-feira, 5; e uma nova assembleia geral na quarta-feira, 6. O encontro também aprovou duas moções de apoio, uma à greve dos petroleiros e outra à greve dos metroviários de Belo Horizonte.

Uma nova reunião de negociação está marcada no TRT (Tribunal Regional do Trabalho). A Trensurb sugeriu em reuniões de negociação a extinção do Vale-Cultura. A comissão de negociação do Sindicato contrapôs o fim do Vale ao acréscimo de mais dois tíquetes alimentação.

Reabastecimento parcial e protestos em Nova Santa Rita
SIMONE DUTRA*

Em Nova Santa Rita o serviço de abastecimento de gasolina foi normalizado em quase todos os postos do município no início desta semana, porém a população enfrentou longas filas para garantir o combustível, que varia entre R$ 4,45 e R$ 4,69.

Manifestações

Na manhã da última quarta-feira, 30, caminhões do exército estiveram num dos postos de maior movimento na cidade, na BR 386, e realizou a retirada de faixas e demais materiais dos manifestantes, que ali estavam acampados desde o início da greve. Segundo moradores locais, os caminhoneiros se recusaram a voltar aos trabalhos mesmo com a chegada dos militares, e relataram ainda a presença de helicópteros que sobrevoaram a região do posto com protesto.