População reclama de cheiro, cor e gosto de água da Corsan

A qualidade dos serviços prestados pela Corsan voltou a ser questionada na última semana em Canoas. Moradores de diversos bairros reclamam do cheiro, do gosto e da cor da água que tem chegado até as residências. A situação não se limitou apenas a Canoas. Moradores de Cachoeirinha e Gravataí também denunciaram o ocorrido. Corsan diz que não há prejuízo para a potabilidade.

Reclamações

As redes sociais foram o maior catalisador de comentários sobre o assunto. Uma moradora de Canoas também entrou em contato com o jornal Timoneiro, relatando a situação: “Não suportamos o cheiro e muito menos o gosto de terra da água e não sabemos como proceder para que a Corsan possa nos fornecer água de qualidade”. Ela também questiona o serviço prestado pela companhia: “Que a Corsan faça jus ao valor absurdo que pagamos todo o mês por um péssimo fornecimento de água”.

Questionamento

A Prefeitura de Canoas, em nota divulgada durante a semana, afirmou que está monitorando a situação e que pediu explicações à Corsan a respeito do odor e sabor de terra na água.

Vereador

O vereador Gilson Oliveira (PP) também questionou a Corsan sobre o ocorrido. Na manhã de quinta-feira, 15, o parlamentar visitou a sede da Corsan para saber o motivo que vem ocasionando o odor e coloração escura na água. Na ocasião, o Superintendente Regional, Alexandre Calvetti, informou que existem três fatores que estão influenciando neste problema: o calor intenso, o baixo nível dos mananciais e a proliferação de algas.

Explicações

Em nota, a Corsan informou que o odor e o sabor de terra na água devem-se à proliferação de algas no lago Guaíba. Segundo a instituição, não há prejuízo para a potabilidade: “Para minimizar esses efeitos sensoriais, a Companhia já tomou as providências cabíveis, com maior dosagem de carvão ativado à água na estação de tratamento.

Ainda, de acordo com a Corsan, a proliferação das algas ocorreu devido à combinação da incidência de sol, ao calor, à presença de nutrientes e ao movimento mais lento da água no manancial. “A captação da água bruta servida a bairros desses municípios é realizada no Arroio das Garças, localizado em Canoas. Com a estiagem da última semana, o nível do arroio diminuiu, fazendo com que a água do Guaíba entrasse no leito do arroio, misturando as águas. A perspectiva é de que, com as chuvas dos últimos dias, o sabor e o odor de terra desapareçam gradativamente”, conclui a nota.