Setor brasileiro de franquias apresenta crescimento em 2017

ABERTURA FRANQUIAS
Monique Mendes
niqueotimoneiro@gmail.com

Mesmo num período de instabilidade econômica, o setor de franquias apresenta resultados positivos neste ano, se comparado a 2016. Segundo os dados apresentados pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), as franquias brasileiras tiveram quase 8% de crescimento em receita no terceiro trimestre de 2017, em comparação com o mesmo período no ano passado. O faturamento passou de R$ 38,836 bilhões para R$ 41,850 bilhões. A região Sul se destaca no setor por representar 17,3% das redes no país e somar quase 20 mil franquias no mercado nacional.

Dentre as explicações para o crescimento do setor está o planejamento estratégico e o conhecimento de mercado que as franquias oferecem. Muitas empresas abrem e fecham as portas no Brasil por não terem conhecimento de mercado, plano de negócios, controle financeiro e conhecimento em marketing. Quando um empresário decide investir numa franquia ele está adquirindo toda essa expertise da marca, que é fator fundamental para diminuir os riscos do negócio nos dias de hoje.

Segundo o empresário Adnan Zarruk, que apostou em 2017 na franquia da Piccadilly, em Canoas, o investimento se justifica por todas as vantagens que a marca franqueada oferece. “Esse tipo de negócio se bem estudado e administrado realmente traz resultados que a maioria dos negócios que se iniciam hoje não têm. Muitas marcas trazem consigo a consolidação, estudos de viabilidade seguindo critérios rigorosos como número de população, fluxo/hora de pessoas, ponto proposto, margem de lucro e uma série de preparos para que o empreendimento dê certo, diferente de iniciativas sem preparos que nos dias de hoje são catastróficas pelo período de crise que o país está passando”, explica Zarruk.

Para a empresária Keli Kuhn Vanin, franqueada da Super Geeks, que faz parte do segmento de educação e tecnologia, a vantagem de abrir uma franquia está em não começar o negócio do zero e ainda contar com apoio da marca. “Uma unidade franqueada já vem com um modelo de negócio testado e estruturado. Além de que os franqueadores também garantem treinamento aos franqueados”.

Ainda segundo os dados apresentados pela ABF, no primeiro trimestre deste ano, o número de novas unidades abertas foi de 2,3% do total, enquanto foram fechadas apenas 1,0% das empresas. Hoje, são mais de 142 mil unidades de franquias registradas no país. Apesar de todo o suporte oferecido no negócio, ainda existem os riscos. A instabilidade financeira dos últimos anos fez com que algumas marcas não se mantivessem no mercado devido às condições financeiras. Para alguns empresários, o momento favorece as marcas consolidadas e com mais experiência. Elas já enfrentaram outras situações semelhantes e acabam por ganhar mais força nos momentos de crise.

Conforme o Master Franqueado da CVC no Vale dos Sinos, Adauto Serafim, houve um crescimento, porém, decepções no mercado, que estão associadas à falta de conhecimento e aptidão de alguns empresários no negócio que escolhem investir. Para Serafim, o problema está em se aventurar num nicho sem ter o perfil ou qualificação para manter a franquia e acabam falindo. “Muitas pessoas que perderam seu emprego acabaram utilizando sua indenização e economias para abrir um negócio, que por falta de experiência e planejamento acabou não dando certo”, comenta o empresário.

Saiba o que você deve avaliar na hora de investir numa franquia, segundo empresários de Canoas:

Adauto Serafim,
Master Franqueado da CVC no Vale do Sinos
“O principal é conhecer o ramo, estar disponível para uma dedicação de 24 horas e não passar a se sentir um patrão. Escolhi a CVC que faz parte do segmento de turismo, por já fazer parte da empresa como Gerente do Grupo CVC e por entender que uma marca conhecida facilita o início do negócio”.

Adnan Zarruk
Franquia Piccadilly
“Fui escolhido entre os clientes da região, pela fábrica Piccadilly e, após estudos, comprovei que seria interessante a parceria nesse segmento de sapatos femininos. Concluímos que a marca é forte entre as mulheres e já era sinônimo de conforto e beleza. A nossa franquia foi a primeira loja franqueada da marca no Sul do país. Deve se avaliar a marca em si, depois se o perfil dela se encaixa na cidade ou região que vai abrir. Deve se estudar os números mínimos e poder de crescimento”.

Keli Kuhn Vanin
Franquia Super Geeks
“Somos pais e atuantes no segmento de educação e tecnologia. Nada melhor para juntar o melhor dos dois mundos do que uma escola de tecnologia para crianças e jovens. Por isso buscamos de certa forma atuar neste segmento. Ao analisar o mercado, a ideia inicial era começar do zero, com uma proposta própria, porém conhecemos a SuperGeeks, que apesar de ser relativamente nova, já possuía uma proposta diferente, inteligente e com uma metodologia própria, pronta e estruturada, e com pessoas da área envolvidas na condução da franquia. Para escolher uma franquia deve se levar em consideração o ramo que se tem aptidão, que tem afinidade, e considerar o valor do investimento inicial, e uma análise previa de mercado e de aceitação da marca. Conversar com unidades já existentes para saber como é a franquia na realidade”.