Ulbra e AGCO anunciam cooperação em Ensino, Pesquisa e Extensão

A Ulbra e a AGCO, multinacional americana especializada na fabricação de maquinário agrícola, formalizaram, na tarde de quarta-feira, dia 4 de outubro, um acordo de cooperação para o desenvolvimento de projetos conjuntos nas áreas de Ensino, Pesquisa e Extensão. Em reunião no gabinete no campus Canoas, uma comitiva da empresa foi recebida pelo diretor da Unidade, Erivaldo Diniz de Brito, pelo gerente administrativo do campus, Alexandre Berton, pela coordenadora de Extensão, Dalva Santana e pelo coordenador do curso de Engenharia Mecânica, José Lesina Cézar, e seu adjunto, professor Eduardo Eidt.

O diretor de Engenharia de Produto e Implementos da AGCO na América do Sul, Fabrício Nogueira Natal, enfatizou a importância da aproximação da companhia com a Universidade.” O modelo de colaboração entre instituições de ensino superior e empresas hoje vigente no exterior é algo que precisa ser mais recorrente no Brasil. Queremos criar um vínculo com a Ulbra, não só para fomentar a indústria nacional, mas também para proporcionar o desenvolvimento profissional dos alunos”, destacou o gestor ao término do encontro.

Conforme Brito, a mentalidade do empresariado brasileiro precisa mudar e posturas como a da companhia norte-americana são essenciais para isso. “Os executivos da AGCO já pensam diferente de muitos empresários daqui, entendem que são uma peça fundamental na construção do conhecimento e que o investimento em pesquisa nunca é perdido, sempre volta na forma de novas tecnologias e serviços”, pontuou o diretor ao acompanhar os visitantes para um breve passeio pelas instalações do campus.

Atualmente, a AGCO já utiliza laboratórios da Unidade para a realização de testes pneumáticos em seus produtos e peças. Entretanto, com a adesão ao novo termo a contrapartida para os estudantes da Universidade Luterana do Brasil será ainda maior do que já é, como explica Eidt. “Mais de 2,5 mil acadêmicos serão direta e indiretamente beneficiados com esse acordo. Trata-se de uma empresa que lida com tecnologia e que representa uma fatia importante do mercado da Engenharia e da Agronomia”, destacou o docente.