Vice-reitor da Ulbra fala sobre a Reforma Luterana

Lutero pregas as 95 teses na porta da Igreja do castelo de Wittenberg

Considerada um importante marco histórico, a Reforma Luterana (protestante) chega, em 2017, aos 500 anos. A data remete a 1517, quando o jovem monge Martinho Lutero enviou ao seu bispo 95 teses sobre questões teológicas que desejava debater abertamente, em Wittenberg, Alemanha, criticando determinadas práticas promovidas pela Igreja Católica. O impacto de tal ato modificou a região européia e, através dos tempos, influenciou a cultura, política, economia, entre outros aspectos da sociedade ocidental moderna. Especialista no assunto, o vice-reitor da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), Ricardo Willy Rieth, recebeu a reportagem de O Timoneiro para falar sobre a importância da reforma.

“A reforma protestante é um movimento que trouxe um impacto muito grande, não só sobre a dimensão religiosa, mas na transformação profunda dos contextos para onde ela passou”, afirma Ricardo. Ele ainda ressaltou que isso vale tanto para as regiões onde surgiu o movimento como por onde ela se espalhou. O vice-reitor elenca que a compreensão da sociedade ocidental moderna, a economia capitalista e a compreensão do trabalho são alguns dos aspectos ligados à reforma.

Influência

“Canoas, graças à imigração, tem sido bastante influenciada. Isso está associado à imigração européia, no inicio da imigração sistemática ocorrendo perto daqui, em São Leopoldo”. Rieth afirma que Canoas e todo o entorno da região desde muito cedo teve esse impacto. Ele ainda destaca a atuação da Ulbra na cidade, contribuindo para essa influência luterana: “Nossa instituição, a Ulbra, remonta a uma comunidade religiosa fundada no início do século XX, a comunidade evangélica luterana São Paulo. Logo instituiu uma escola básica, fundada em 1911, que se ampliou para outros níveis, tendo o colégio Cristo Redentor, que se tornou uma referência na cidade. Também a partir disso surgiu a Universidade Luterana do Brasil que vai, como instituição, levar essa experiência da reforma para outras regiões do Brasil”, completa.

500 anos

O vice-reitor afirma que, atualmente, existem no mundo 80 milhões de pessoas que se entendem diretamente como Luteranos. “Parte delas estão hoje em países que são referencia mundial”, destaca Rieth. Ricardo ainda citou outras vertentes protestantes, que também fazem parte do movimento: “A reforma protestante não se resume aos Luteranos. Outras vertentes, ainda mais numerosas que a nossa, foram nesses últimos anos marcando cada vez mais sua posição.” A característica do movimento da reforma, de forte questionamento e renovação, também é um dos aspectos sinalizados por Rieth. Para ele, essa é uma tarefa permanente e que se aplica aos dias atuais: “Hoje o Brasil vive uma crise institucional. O Rio Grande do Sul vive um momento péssimo na Educação Pública. É necessário questionamento e mudança para melhorar isso”. O vice-reitor destaca que Lutero teve uma dimensão profética no sentido da denúncia, de dizer as coisas que devem ser ditas e assumir as consequências disso. “Conheço muitas pessoas que não tem vinculação religiosa e que tem Lutero como uma referencia. É um dos nomes que surgem em determinadas épocas e que tem a capacidade de representar determinados anseios da sociedade. Lutero enfrentou a instituição mais poderosa da época e chamou muita atenção por isso”, conclui Ricardo.

Instituição

“Nós, há mais de dois anos atrás, iniciamos um processo de completa reestruturação pedagógica na universidade. Esse processo procurou envolver toda a nossa comunidade acadêmica, que hoje tem mais de 30 mil pessoas”. De acordo com Rieth, foi elaborado um plano de desenvolvimento institucional que tem como um dos pilares básicos a identidade confessional da Universidade, vinculada à Reforma. “Esse movimento surgiu em uma universidade 500 anos atrás. Então esse compromisso deve ser agora o mesmo, de transformar a vida das pessoas, da sociedade”, afirma o vice-reitor.

Homenagem

A data foi lembrada durante Grande Expediente realizado pela Câmara de Vereadores de Canoas, na quinta-feira, 26. Homenagem proposta pelo vereador Marcus Vinícius Machado – Quinho (PDT), lembrou os 500 anos da Reforma Luterana, comemorados em 31 de outubro. O evento contou com a presença do presidente da Igreja Evangélica Luterana no Brasil (Ielb), pastor Egon Kopereck, do reitor da Ulbra, Marcos Ziemer, e do representante da Congregação Comunidade Evangélica Luterana Cristo (CELC), pastor Olavo Güths.