Vítimas da Máfia das Próteses ainda buscam direitos na Justiça

 

Daniela de Castro pede justiça

A Máfia das Próteses, esquema de fraudes envolvendo cirurgias para implante de próteses no Rio Grande do Sul, ficou famosa após denúncias que tiveram impacto nacional, em 2015. Diversas apurações, investigações e operações foram realizadas a partir disso, e grandes quantias foram recuperadas. Mesmo assim, as vítimas do conjunto de médicos que participaram do esquema ainda sofrem com as consequências das fraudes, e esperam até hoje uma solução através da justiça.

Vítimas

Uma das vítimas é Daniela de Castro. Ela procurou a redação do jornal Timoneiro para relatar sua situação. Ela ainda luta contra sequelas do que passou nas mãos do médico apontado como o líder do esquema da máfia das próteses. Daniela perdeu os movimentos de um dos pés e passou a andar com dificuldades por causa da demora na realização de uma cirurgia. Em 2014, ela teve uma crise de hérnia de disco e foi internada, mas, segundo ela, o médico só aceitava operá-la se fossem utilizados parafusos importados. Ainda, ela afirma que o médico demorava para realizar os procedimentos. Tanto que ela acabou sendo atendida por outro profissional. Por conta da espera, sua situação se agravou. Hoje, ela afirma que está novamente de cama, sem conseguir caminhar. “Estou esperando a infecção ceder para operar novamente. Fiz duas pequenas cirurgias com bloqueio. Mas a inflamação não cedeu. E esse bandido solto”, diz Daniela. Ela conta que, desde a divulgação do escândalo, já contribuiu para diversas reportagens, participou de CPIs e até agora não recebeu nenhum tipo de respaldo financeiro por conta de sua situação. Atualmente, ela move processo contra o médico envolvido na Máfia das Próteses. Outra vítima, que não quis se identificar, também move processo contra o médico. Ela critica a morosidade do sistema jurídico, pois já faz dois anos que tenta uma liminar para receber ajuda financeira, sem sucesso. “Ele e sua equipe são grandes e nós somos muito pequenos e frágeis perto de tanta injustiça e burocracia”.

Operação recente

A Polícia Civil realizou, em fevereiro, a Operação Segundo Round, em combate à organização criminosa estava lavando dinheiro proveniente da “Máfia das Próteses”. O patrimônio total dos investigados foi objeto de sequestro deferido pela Justiça. Foram alvos do sequestro 20 imóveis e oito veículos.  “Estima-se que os valores constritos e que ao final do processo criminal, em caso de condenação, serão revertidos em favor do estado, ultrapassem os 23 milhões de reais.” informou o delegado Cristiano de Castro Reschke.